Camara
QUERO QUERO TOPO

Diretores da Anvisa sofrem novas ameaças após aprovação da Coronavac para crianças

Por OSASCO RENOVE em 23/01/2022 às 10:08:55

Diretores e servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) voltaram a sofrer ameaças após a agência dar aval, nesta semana, à aplicação da Coronavac em crianças e adolescentes para combate à covid-19. Até então, a única vacina aprovada no Brasil para a população pediátrica era o imunizante da Pfizer, que já começou a ser aplicado em crianças de 5 a 12 anos.

Foto: Gilson Abreu/AEN

Na última quinta-feira, 20, em uma reunião que durou mais de três horas, técnicos da Anvisa apresentaram dados da Coronavac enviados pelo Instituto Butantan. Os estudos demonstraram a segurança e efetividade da aplicação de duas doses da Coronavac, com intervalo de 28 dias, na população entre 6 e 17 anos.

Logo após a aprovação, o órgão começou a receber os primeiros e-mails com as ameaças. Em uma das mensagens, encaminhada à diretoria dois da Anvisa, na qual é feita a análise técnica das vacinas, o agressor afirma que “o preço que vc (sic) vai pagar será altíssimo”.

Já a quinta diretoria, onde ocorre o monitoramento de efeitos adversos, recebeu uma ameaça na qual é dito que “o preço a ser pago será terrível não quero estar na sua pele (sic)”. Outras mensagens com teor de ameaça também foram recebidas, de acordo com o órgão, mas não foram divulgadas.

Essa não é a primeira vez que servidores e diretores da agência sofrem ameaças em decorrência da aprovação de vacinas. Em dezembro, após o presidente da República, Jair Bolsonaro, defender a divulgação do nome dos técnicos que autorizar a aplicação da Pfizer em crianças, membros do órgão passaram a sofrer as primeiras ameaças de morte, que estão sendo investigadas pela Polícia Federal.

Na ocasião, a Anvisa reagiu de forma dura às declarações de Bolsonaro e disse “repudiar com veemência” ameaças feitas contra funcionário do corpo técnico do órgão. A Anvisa afirmou naquela oportunidade, em nota assinada por toda a diretoria e pelo presidente Antonio Barra Torres, que “seu ambiente de trabalho é isento de pressões internas e avesso a pressões externas”.

À época, o procurador-geral da República, Augusto Aras, informou ao presidente da Anvisa também ter determinado a “adoção de providências” para “assegurar a proteção” dos diretores do órgão

A Anvisa ainda não se posicionou oficialmente sobre as últimas ameaças recebidas e só deve se pronunciar na segunda-feira, dia 24.

Fonte: Banda B

Tags:   Brasil
Comunicar erro
BANNER RE9
otica
TOPO ITAQUIRAI EM FOCO
novo sabor top
ahanguera
FRUTARIA AVENIDA TOPO
florai
Mercado Santos
Auto escola Diamante
laboratorio
bello frango
pax
Lanchonete vitoria
hospital

Comentários

CAMPANHA BELLO ALIMENTOS
florai
bannet vacina